Binóculos e as observações astronómicas

BinóculosAo contrário do que se possa pensar, os binóculos são importantes no que toca às observações astronómicas. Um astrónomo amador pode tirar muitos benefícios por possuir um binóculo de qualidade. Para quem se inicia nas observações astronómicas, a utilização de binóculos antes da compra de um telescópio também é muito importante.

O que são binóculos? De forma sucinta podemos dizer que binóculos são instrumentos ópticos, constituídos por 2 “tubos”, cada um dos “tubos” tem uma lente objetiva que recolhe a luz e no outro lado uma lente ocular através da qual nós vemos a imagem ampliada. Esses “tubos” estão interligados, e dentro de cada tubo existe um sistema de prismas.

Assim temos um instrumento que nos possibilita ver diversas coisas no céu noturno que não nos é possível ver à vista desarmada.

Quando quisermos começar a observar o céu, o primeiro passo é reconhecer as principais constelações e estrelas no céu à vista desarmada. Isso pode ser feito com a ajuda de bons mapas celestes e também com a ajuda de software de astronomia como é o caso do Stellarium. De início não precisamos de nenhum instrumento óptico.

Depois de termos dado esse passo e aprendido a reconhecer os principais “pontos de interesse” no céu noturno, podemos passar para a observação com binóculos. Talvez a tentação seja logo de passarmos para a compra de um telescópio, e é exatamente isso o que muita gente faz. Porém, se possível, é bom primeiro aprendermos a observar o céu com um binóculo servindo assim como um passo intermédio antes de chegarmos à observação com um telescópio.

É claro que em vários aspetos os binóculos possuem muitas limitações se comparados aos telescópios. Porém os binóculos possuem também algumas vantagens interessantes para quem se está a iniciar nas observações astronómicas. Até mesmo muitos dos que já são experientes em observação astronómica por telescópios utilizam regularmente também os binóculos.

Os binóculos são instrumentos de observação mais fáceis de manusear. O campo de visão que os binóculos nos proporcionam é bem maior que o campo de visão proporcionado pelos telescópios, facilitando a localização dos objetos celestes.

Ao observarmos o céu com um binóculo, podemos constatar que vemos muito mais objetos celestes do que aqueles que vemos apenas à vista desarmada. Se estivermos já familiarizados com os mapas celestes, e com a ajuda destes, podemos localizar e observar um número considerável dos chamados objetos do céu profundo, como por exemplo enxames de estrelas ou nebulosas. Para além disso através de binóculos poderemos ter uma bela imagem da nossa Lua! O céu noturno visto através de um binóculo é realmente muito bonito e fascinante.

Ao comprarmos um binóculo temos que ter em conta vários aspetos. Um dos aspectos muito importante tem a ver com a amplificação e com o tamanho das objetivas (abertura). Por exemplo, um binóculo 10X50 pode ser uma boa opção. Mas o que significa 10X50? O primeiro número, neste caso o 10, diz-nos que através desse binóculo poderemos observar os objetos 10 vezes maior que vistos à vista desarmada. O segundo número, neste cado o 50, diz-nos o tamanho em milímetros de cada objetiva desse binóculo. Portanto, quanto maior for o primeiro número maior será a amplificação, quanto maior for o segundo número maior será o tamanho das objetivas.

É importante salientar que uma amplificação maior permite-nos ver os objetos maiores, mas por outro lado perde-se em luminosidade da imagem e também ficamos com um campo de visão mais pequeno. Por outro lado, quanto maior for o tamanho das objetivas, maior será a quantidade de luz recebida pelo binóculo e consequentemente maior será a luminosidade das imagens.

Um binóculo 10X50 pode ser indicado para a maioria dos casos de quem se inicia nas observações astronómicas. Uma outra hipótese poderá ser também um binóculo 7X50. Existem outras alternativas, como por exemplo binóculos 15X70, 11X80, 16X80 ou 20X80, porém estes tipos de binóculos são mais caros. Existem binóculos mais caros que certos telescópios!

Um outro aspeto a ser levado em conta tem a ver com a qualidade óptica do binóculo. É importante verificarmos, por exemplo, se a imagem obtida através do binóculo é nítida apenas no centro do campo de visão ou se é nítida em grande parte do campo de visão (pelo menos em cerca de 70% do campo visual). Outro aspeto a verificar é, com o binóculo já corretamente focado, se há alguma dificuldade em fundir as duas imagens numa só, ou só conseguimos fundir as imagens com algum esforço. Se for o caso de termos que forçar nossa visão, então tal esforço pode causar dores de cabeça.

Será também importante montar o binóculo sobre um tripé, evitando assim os habituais tremores de nossas mãos que prejudicam a observação. Quanto maior for a amplificação do binóculo e quanto maior for o seu peso, maior também será também a necessidade de utilizar o tripé, pois o tremor torna-se mais evidente.

Nota muito importante: NUNCA tente observar o Sol com um binóculo sem os filtros solares apropriados, pois tal irá causar de forma imediata danos irreparáveis na sua visão. Existem filtros solares que podem ser comprados nas lojas da especialidade.

Como complemento a este artigo, e para quem pretende comprar um telescópio, sugiro a leitura do artigo: Comprar um telescópio.

Share Button
Binóculos e as observações astronómicas
5 (100%) 5 votes
Tagged . Bookmark the permalink.

Comments are closed.